top of page

"A taça das emoções caninas"

Encontrei este "tesourinho", escrito por uma fantástica e inspiradora treinadora, Sarah Owings.


"Cada cão tem uma "taça" que precisa de ser preenchida com: interação social;

segurança; acesso a reforços e enriquecimento ambiental.

A maior parte das coisas que um cão faz são normais - coisas irritantes como escavar no quintal,

perseguir gatos ou ladrar à porta.

Contudo, a maior parte dos cães mostram sinais de stress quando as suas "taças emocionais" começam a ficar vazias.


Sinais que o seu cão está a lidar com a sua "taça emocional" vazia:

- proteção e acumulação de recursos, por exemplo, guardar comida, brinquedos ou as pessoas da casa

- reagir em exagerado ou "desligar" quando exposto a situações novas

- inquietação

- lentidão para recuperar de eventos excitantes

- alterações de apetite

- comportamentos crescentes para obter ou para afastar algo, por exemplo, reatividade a outros

cães ou pessoas

- aumento ou surtos de mau-humor

- apaziguamento social intenso"



Se o seu cão guarda a comida e tem crianças em casa.

Se o seu cão guarda-o a si e pensa com orgulho que devem ser ciúmes.

Se o seu cão reage a visitas na sua casa.

Se o seu cão salta e ladra sempre que vê outros cães.

Se o seu cão se deita nos passeios a comer paus.



O que reabastece a "taça emocional":

-Fazendo coisas de cão: farejar, mastigar, procurar, ladrar, escavar, jogar/brincar

-Estar incluído na família (cães/humanos)

-Liberdade para se mover

-liberdade para fazer escolhas

-capacidade para controlar resultados e obter reforço

-afeto/amor e atenção incondicional

-boa saúde: alimentação nutritiva, sem parasitas, etc

-ter um local seguro e sereno para descansar

-interações e rotinas previsíveis

-fazer coisas que um cão adora


Deixar farejar nos passeios, usar trela longa, pelo menos de 3 metros. Podem pôr no lixo

as trelas de 1 metro, são uma tortura... As trelas longas podem ser encurtadas em locais

que o cão precise estar junto do seu humano.


Se tem quintal ou jardim e ele gosta de escavar, pode atribuir-lhe um "lote" só

para ele fazer as suas pesquisas ;-)


Não é por ser cão que tem de receber festas de toda a gente que encontra na rua ou recebe

em casa. As festas têm de ser previsíveis e aceites pelo cão, não pelo humano.


Ladrar é uma das formas de comunicação verbal. Existem diferentes motivos para o cão,

pode ser alerta, frustração, aborrecido ou ainda expressar emoções como medo, raiva ou excitação.

Qualquer solução para diminuir uma excessiva vocalização passa por entender as razões. Depois é que se pode pensar em que tipo de abordagem que precisará de tempo e prática.


O que nunca podemos esquecer é que eles devem sentir-se parte da família, porque como disse um autor desconhecido "os cães deixam as suas pegadas nos nosso corações"


"O que esvazia a "taça emocional":

- isolamento social

- longos períodos de confinamento sem enriquecimento

- nutrição pobre, doenças não acompanhadas ou dor

- acesso negado a reforços

- reações imprevisíveis ou assustadoras por parte dos humanos importantes

- sobre-estimulação, demasiado ou nenhum exercício

- falhou e ainda é punido por isso

- não é preparado para situações exigentes

- treino pouco claro, não sabe como obter reforço

- ninguém responde quando expressa uma necessidade

- demasiado "controle de impulsos" (isto é, não fareja, não come, não explora, não ladra, sem

fazer "coisas de cão") durante a maior parte do dia


Um cão precisa de confiar nos que mais ama. Quando um tutor causa dor através de punição, o cão não entende e muitas vezes começam a surgir comportamentos indesejáveis.

Um cão precisa de saber como é a rua, precisa de pôr as patas no chão, precisa de explorar,

precisa de ladrar, precisa de estar com pessoas, mais do que com outros animais.


Vamos encher a "taça emocional" dos nossos cães, que como podem ver por este resumo, é

deixá-los serem o que são, cães! Naturalmente, seguindo regras de boa convivência

entre eles e nós, já que habitamos debaixo do mesmo teto ;-)



15 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page